22 outubro, 2009

SONHOS e SONHAR

Dos anseios ao que se vive na realidade.
O sonho que se espera é a vontade de que aconteça.(DANIEL NUNES)





Os sonhos, muitas vezes, inquietam por causar certo Déjà vu ou mesmo por trazer questões importantes que algumas pessoas buscam levá-los como um aviso ou fato preste a acontecer. Farei observações que não pretendem ser uma abordagem cientifica, apesar de que caminharei pela linha da coerência. Pretendo, também, entrar em questões um tanto quanto metafísicas. Mas, irei delimitar o sonho aos nossos anseios, seja de pessoas ou de vontades. Sempre buscando trazer à luz de uma boa observação e concatenação de ideias, bom, essa é a minha proposta nas linhas que se seguirão.


Peter Burke em seu livro, A Escola dos Analles, trata da questão dos sonhos em diferentes culturas, através dos tempos, em um pequeno espaço de seu estudo dentro deste livro. Ele chegou a algumas conclusões que os sonhos, na verdade, tem a ver com o meio cultural e o cotidiano das pessoas. Inclusive existe um levantamento de probabilidades de sonhos que vieram a se tornar realidade, menos de 5% vieram a ter esses sonhos concretizados, entre outras palavras: Sonhar nada mais seria, por sua definição de probabilidade, do que um advento do acaso. Essa é a parte que cabe à história, mas ainda existe o lado da psicologia e psicanálise que irão relatar quase a mesmo sentindo, apenas abrangendo questões mais particulares e pessoais.


E o sonho, em seus estudos, é bem delineado em REM e não REM (Rapid Eyes Moviment). E segundos os estudos é na fase REM que se você vier a acordar , certamente, saberá do que estava sonhando. Isso demonstra que os sonhos são objetos de estudos e que a ciência sabe muito bem que eles fazem parte, também, do processo evolutivo de alguns seres. Essa seria uma questão técnica para o sonho e sono fisiológico, mas o grande chamariz dessas questões são os sonhos coletivos( isso para estudos) e os sonhos individuais, esses dificilmente encabeçam alguma explicações cientificas, a singularidade e particularidade muitas vezes são delegadas ao acaso.


Uma vez sonhei que estava num castelo esplendoroso, numa grande festa, as paredes desse castelo tinham tapetes bem bonitos e trabalhados. E muita, mas muitas pessoas dentro desse castelo. Estava ao lado de outra pessoa e conversava com ela. Eu dizia a ela que sabia que aquilo ali era um sonho, engraçado, tinha noção de que estava sonhando, mas a pessoa ao meu lado dizia que não, não era um sonho, que eu poderia tentar acordar pra ver se era verdade. Não sei como, passado um tempinho acordei. Lembro de até achar engraçada a situação e falado comigo mesmo: sabia que era um sonho. Bom, mas o mais interessante estava por vir, ao novamente pegar no sono volto para o mesmo dito lugar e ao lado da mesma pessoa me falando: viu? Não é sonho.


Confesso que até hoje sou encucado com esse sonho e olha que o tive lá pelos meus 14 ou 15 anos. Vejam que alguns sonhos fogem de um padrão explicativo, o desenrolar desse sonho foi com a pessoa me falando assuntos que esqueci. Com o detalhe que tanto a pessoa que eu conversava, como outras que nunca as vi. Qual foi o padrão que o meu cérebro se utilizou para me passar um sonho tão bem organizado?


Também já tive sonhos a experimentar sensações impossíveis para um ser humano. Como o fato de voar sem auxilio de nada, apenas com a vontade mesmo de voar e a sensação experimentada é muito boa, sensação de voar, plainar.


Muitos pesadelos também, sonhos com o apocalipse do mundo, morrendo, sonhos de fugas, de guerras.


Dizem que muitas informações nos são transmitidas hereditariamente. Como muitos medos peculiares que herdamos sem saber o porquê, mesmo que não contenham uma explicação tão cultural. O pior é que nenhuma, ou quase nenhuma, explicação você alcançará através de pesquisas, porque essas questões são batidas e a psicanálise e psicologia possuem um foco muito delimitado para essas questões e o parecer segue um “CID” para cada circunstâncias.


Não é à toa que surgiram muitos ditos “desvendadores de sonhos”, verdadeiros tradutores da aflição alheia. Mas não é de hoje que os sonhos nos inquietam, na bíblia os sonhos desempenhavam um papel importante. Antigos sacerdotes também levavam muito em conta os sonhos. Alias, a maior parte dos sonhos na idade média, sonhada pelos camponeses, era um manjar numa mesa repleta com comidas, vinhos e tudo o mais. Pelo largo período de fome que passavam esses sonhos poderiam ser o senso comum.


Existem sites que trazem “explicações” para os fenômenos dos sonhos. Se sonha com um animal X ou com uma situação Y o site indica um tipo de significado. A meu ver parecem existir aí padrões já percebidos nos sonhos e a melhor explicação seriam os anseios antes mencionados.


Mas os que nos inquietam são aqueles que não conseguimos explicar por não haver nenhuma situação plausível que nos interliguem. A estes sou adepto da seguinte teoria, propriamente teoria minha: que o ser humano é bem mais que um “replicador de genes ou DNA”. Que nós somos grandes elos de informações passadas por gerações e o nosso cérebro um armazenador dessas informações. Que ora ou outra flagramos uma dessas informações deixadas por alguém da nossa cadeia hereditária. Isso explicaria, em partes, alguns sonhos que fogem dos nossos anseios e do nosso meio cultural de época.


Mas, como explicar aquele sonho de acordar e voltar para o mesmo local e continuar a conversa com as mesmas pessoas, tudo bem organizado?


Sei que outras pessoas já tiveram sonhos semelhantes. E para esses sonhos tenho uma explicação, também particular, de que os sonhos não encontram explicações externas, mas internas. O sonho coletivo é aquele que historiadores, psicólogos, psicanalistas tentaram padronizar, mas o sonho individual, esse só pode encontrar uma resposta em nós mesmos. Seja fator pessoal, emocional ou sentimental, o fato é que temos sonhos a fugir dos padrões e permanecerem em nossas lembranças, saindo do reservatório de informações e fazerem parte das lembranças.


Pessoas sonham constantemente. Sonhar, desde que não seja um pesadelo é muito prazeroso. Mesmo que venham carregados de “códigos”. Os sonhos possuem seu mundo à parte. Que situação você poderia rever pessoas que já partiram dessa vida que não fosse num sonho? Aquelas pessoas que você ainda conheceu na infância, viver um amor correspondido no sonho com a pessoa que deseja. Todas essas situações tão agradáveis nos fazem um bem enorme.


Sempre temos sonhos pautados em alguma questão. Quando sonhamos com coisas absurdas, ou de pouca relevância, esses sonhos acabam no esquecimento. Mas quando você tem aquele sonho com morte, com pessoas que morreram, com avisos, com lugares e pessoas que nunca viu, certamente eles nos cobrarão uma atenção, claro, se flagrados naquela fase entre estar acordando e sonhando. Óbvio que em algum momento os sonhos venham como respostas para tantas dúvidas que passamos e que desejamos encontrar uma solução, quase sempre o sonho flagrado refletiria esse nosso anseio.


DOS NOSSOS SONHOS


Com certeza a etapa mais instigante. Não basta só deitar-se e sonhar. Sonhar é tão importante que trazemos para nossa realidade. Todos sonham com algo, geralmente em forma de desejos, sejam de ordem sócio-cultural ou econômico. O fato é que todo o ser é um condutor de sonhos. Viver acordado não é tão paralelo a viver sonhando. Dizem que a pessoa que deixa de sonhar está morta em vida. Quantos mortos estão a caminhar pelo mundo? Qual seria o sonho de uma criança órfã? Qual seria o sonho de quem não tem onde morar? Sonhos cuja interrogação apenas pede a resposta que todos temos noção de qual seja.


Todos sonham com um mundo melhor. Onde as pessoas não exaltem tanto as diferenças, onde os homens convivam em harmonia. Sonham com o fim da fome, fim das guerra, fim das injustiças. Todos querem um mundo melhor, mas esse mundo parece existir apenas em nossos sonhos, porque SONHOS e SONHAR também viraram sinônimos de DESEJAR E UTOPIA. Quem não se lembra do grande discurso de Martin Luther King?


“I have a dream...”


Um sonho de um homem que atravessa gerações lá nos USA. E aqui, quem foi o grande sonhador? Lembro de uma pessoa, sociólogo Betinho que tinha uma campanha de luta contra a fome, mesmo com AIDS (adquirida numa transfusão de sangue) não media esforços para lutar por uma causa nobre. Pouco tempo atrás li um livro, cujo título era: O VENDEDOR DE SONHOS (AUGUSTO CURY). Livro que tinha a temática de resgatar uma sociedade que deixara de sonhar.


Mudanças se relacionam com sonhos. Martin, Betinho eram sonhadores sociais que expunham seus sonhos com uma sociedade igual, justa e democrática. Seus sonhos ainda são compartilhados por tantos outros.


A ousadia de sonhar nos faz diferente. Num mundo de pesadelos, meu maior sonho seria me blindar de todo o mundo e pessoas, para que eu não me contaminasse com seus pesadelos, o pesadelo de deixar de sonhar. Da explicação pragmática, doxa ou episteme, sonhar e sonhos é uma questão humana. Dos anseios ao que se vive na realidade. O sonho que se espera é a vontade de que aconteça. Um sonho para se recordar talvez seja aquele que se queira viver. Um sonho para se sonhar é aquele que nos fazem viver. Espero sonhar com mais intensidade e me desligar das explicações(que não explicam), me deixar refletir sobre a vida e os momentos.

24 maio, 2009

Vivendo nas Lembranças...



Quem ousa avançar no seu futuro e buscar o fim do seu tempo?


Pelo contrário, as pessoas, a cada momento que se aproximam do seu fim, nutrem uma necessidade vital de retroceder para sua juventude. Numa tentativa desesperada de fugir do futuro que os levam para o fim da sua própria existência. Então é normal sentar-se com uma pessoa mais idosa e ouvir suas lembranças, seu passado. O ser humano sente a necessidade de se prender ao passado, porque é no passado onde a vida se frutificou ou, simplesmente, criou-se o ser que é hoje: atormentado por lembranças passadas.


Quem um dia lembrou de viver olhando para o seu futuro?


Questão que poucos respondem. Mas que tínhamos a resposta, sim, tínhamos a resposta. Quando CRIANÇA todos nós vivemos para o futuro. Queremos ser adultos o quanto antes. Queremos sobrepujar o tempo presente. Queremos dar um passo à frente da nossa época. Queremos desfrutar das benesses que ser adulto afere. Queremos a atenção. Queremos, sobretudo, a responsabilidade de sermos donos do nosso livre arbítrio.


É uma armadilha que a própria vida nos conduz. É um caminho sem volta, pois logo ao chegarmos à tão sonhada idade adulta, compreenderemos que não era isso que queríamos, mesmo que você seja bem sucedido. Vamos querer voltar no tempo, porque somos cientes de que o futuro só reserva o nosso fim. È a única verdade absoluta!


Não deveríamos ter medo do futuro. Deveríamos ter medo do presente, porque ao fugirmos tanto do nosso futuro, deixamos de vivê-lo para nos prendermos ao passado. Digo que é possível viver em “três tempos”, seja ele passado, presente ou futuro. Podemos conciliar nossa vida para tanto lembrar do passado, como construirmos momentos presentes que poderemos lembrar. Assim podemos vislumbrar um futuro onde o fim não tenha que ser o nosso algoz.


Não existe receita. Poucos terão o privilégio de querer tanto conhecer o futuro na idade adulta e, quando mais velho, ter a coragem de enfrentar o seu próprio tempo. Parece que somos mais fortes quando crianças. Não somos covardes, mas nos tornamos por medo de viver.


Bom, até aqui percebam que tentei discorrer sobre a fuga da vida para as lembranças passadas à medida que avançamos em nosso tempo. Mas, tudo isso é apenas uma observação.


Na verdade irei contar uma história onde as lembranças passadas prostraram um senhor a querer conhecer o futuro o quanto antes. Porque tinha em mente que só chegando ao seu fim poderia reencontrar e reviver tudo que viveu em seu passado. Não sou tão bom com palavras, confesso que estou me aventurando nesse meio narrativo há pouco tempo, mas, crio situações que eu tenha experimentado ou conhecido. Portanto, são congruentes com a realidade que cada um pode viver.


Bom, dedico este texto a todos que vivem ou viveram boas lembranças ao lado de pessoas especiais. Sejam pais ou filhos, namorados ou amigos. Um dia sentaremos para “reviver” cada instante da nossa vida, nosso feedback de lembranças e vamos querer um meio de resgatar cada instante antes do fim.

Pois bem...


Ambrosin (o imortal) era um senhor numa idade avançada que todas as manhãs descia da sua casa até uma praça onde sentava num banco e ficava horas a admirar crianças brincarem num parquinho da praça. Sempre com seu gorro, seu óculos escuro e a sua inseparável bengala que o ajudava a se apoiar no terreno trepide e cuja idade avançada lhe roubara a estabilidade física. Sempre sentava só, todos os conheciam, mas ninguém nunca sentava ao seu lado ou se aproximava dele. Parecia que todos entendiam que o seu Ambrosin estava muito bem acompanhado da sua solidão.


A praça também era freqüentada por casais que se punham a namorar, era um local de vida. O senhor Ambrosin só abandonava seu banco cativo para fazer suas necessidades e refeições e, ao final da noite se recolher a sua casa. Um senhor de poucas palavras, observador por natureza. Sobrevivia da sua aposentadoria que não era muito, mas atendia muito bem suas necessidades, apesar de ter 4 filhos, apenas uma filha vinha em sua casa para lhe preparar comida e cuidar de todas as pendências do lar. A maioria já o encarava como uma pessoa que perdeu a boa memória, que falava coisas sem nexo, portanto, a imagem do seu Ambrosin era tida como a de um velho passado.


Um dia, sentado no seu banco de sempre, presenciou uma briga de um casal de jovens. A discussão era tensa. O jovem discutia ferrenhamente com a sua namorada, essa ao se levantar aos gritos terminara tudo. O jovem arrependido tentou se desculpar, afinal ele a amava, eram até ali um casal muito unido e cheios de intenções futuras. Mas uma discussão os separava naquele momento. Arrasado o jovem viu que cometera a maior idiotice da sua vida. Cabisbaixo, aflito, errando os próprios passos se recolheu para sua casa.


No outro dia, seu Ambrosin percebera que o jovem estava sentado no banco ao seu lado. O jovem estava só, muito triste mergulhado no silêncio. Ali estava um grande contraste, num banco um senhor cujo tempo o fez só e um jovem cuja ânsia os pôs só. Sua amada jamais voltara àquela praça que ele se punha a sentar. Todo dia ele ia para praça na esperança de sua namorada voltar e ele voltar a viver seu grande amor. Mas isso não acontecia. O tempo passava e nada.


Um dia seu Ambrosin levanta-se do seu banco e vai até ao banco do jovem. Muito educado, como de costume, pede licença para sentar ao lado do jovem. O jovem nada respondia, sua mente estava mergulhada na esperança de voltar o tempo e evitar aquele desfecho. Pensava em inúmeras possibilidades de reatar seu relacionamento, mas, sabia que não conseguiria. Seu Ambrosin quebra o silêncio e começa a falar:


_ Essa é a sua primeira perda, meu jovem?


O jovem a relutar, o responde de forma apática:


_ Minha maior perda, minha única perda.


Sereno com as palavras, seu Ambrosin abre um diálogo:


_ Tive várias perdas em minha vida. Mas também tive a minha maior perda e única perda. Quando perdemos um amor tão grande de nossas vidas queremos buscar formas de resgatá-la. Quando minha Claire morreu eu perdi meu rumo na vida, sempre vínhamos nessa praça namorar como eternos amantes, trazíamos nossos filhos e víamos como a vida era perfeita. Tínhamos tudo, felicidade em abundância, tenho muitas saudades de outrora.


O jovem desnorteado não compreendera o senhor, mas entendia que este notara que ele estava vivendo algo semelhante, não por uma perda de vida, mas de uma paixão.


_ Sinto muito pelo senhor, mas na vida todos precisam morrer, isso é natural. Apenas quero arrumar uma solução para o erro que cometi, queria poder voltar e consertar o erro que cometi.


Ambrosin deixa escapar um sorriso:


_ Eu pensava igual a você, aliás, ainda penso. Tenho plena certeza que algo muito além da vida é que seria a minha única chance de reviver tudo que, naturalmente, na vida perdemos. O meu futuro é a minha única esperança para largar as lembranças de outrora e reviver tudo que perdi. Só o meu fim teria uma resposta para mim. Já perdi tudo que uma pessoa em vida poderia perder, já perdi meus pais, já perdi a minha amada perdi, inclusive, a minha saúde, já não vislumbro a vida como antigamente, mas, ao invés de buscar refugio no meu passado, creio que só o meu futuro será responsável por fechar minhas chagas. Tudo que perdi não pode mais ser restituído, ao contrário de você.


De certa forma essas palavras levaram uma mensagem ao jovem:


_ O senhor tem razão. Posso ainda amar várias outras pessoas, mas, ainda não sei conviver com a rejeição. Mas por que o senhor espera tanto o seu “fim”? O senhor acredita que o seu espírito irá se reencontrar com todo mundo numa grande festa?


O jovem sorrindo continua:


_ Não que eu ache engraçado tudo isso que aconteceu com o senhor, tenho consciência que passarei pelas mesmas situações. O senhor é um privilegiado, está aí para contar todas as suas aventuras, enquanto muitos não terão a oportunidade de viver metade da vida do senhor. Eu queria estar no seu lugar. O resto foi conseqüência da vida, tinha que acontecer.


Seu Ambrosin retira seu óculos escuro e seu olhar cansado pelo tempo, contempla o final daquela tarde, quando a luz do Sol dá lugar ao brilho das estrelas, anoitecia grandiosamente naquele dia e era uma noite esplendida:


_ Você queria ser eu. Eu não queria ser você, mas, acima de tudo, também não queria ser eu. A noite aqui continua a mesma, sempre nesse período à noite é rica em estrelas. A cada uma eu lembro da descoberta e me remete uma lembrança. Apesar da diversidade de estrelas e da insuficiência do meu tempo de vida, creio que, após isso tudo, passarei a não apontar lembranças, mas fazer parte da lembrança. Todas essas estrelas já foram vistas pelos meus pais, pela minha Claire e agora eu só os contemplo. Creio que jamais poderei revê-los, a vida é uma só. Eles se foram para sempre. Eu vivi minhas aventuras, minhas guerras, vivi minha família. Hoje não sou dono mais de nada, nem do meu mundo, por isso, me apresso em querer meu futuro: Qual resposta ele tem pra mim perante tudo isso? Não quero motivos, gostaria apenas do significado disso tudo. Por que vivemos, ganhamos e perdemos? Tenho tantas perguntas tanto quanto fosse criança. Minhas interrogações fogem do meu ser. Meu silêncio não se cala perante o olhar desconsiderável das pessoas. Eu sei por que me olham como apenas mais um, porque não faço mais parte do mundo de vocês. Porque a minha imagem lembra a todos vocês que sou mensageiro de um “fim” dos quais todos fogem. Pois estou aqui buscando cada passo para o futuro, também não vejo mais todas essas pessoas como membros do meu mundo, apenas como peças de recordações. Todo dia estou aqui em busca de uma explicação, mas, sempre encontro o silêncio e revivo em vocês cada instante que um dia a vida me colocou.


O jovem abismado com a boa concatenação das idéias e palavras que o senhor proferira se encheu de perguntas e curiosidade:


_ O senhor busca na sua morte uma explicação?

A sorrir reponde:


_ Não meu jovem, busco na VIDA a resposta. Se a morte me desse alguma resposta eu não viria a esta praça. Velaria todos os dias da minha breve vida a posição no cemitério de cada pessoa que amo e que partiram. Sou uma testemunha do tempo. Você não pode mensurar o que é sentir a dor da ausência de quem se ama, apenas está experimentando o (des)sabor de uma perda que não é irreparável. A mim a vida não me dá mais este privilégio.


Deixando de encarar o céu estrelado e passando a encarar o jovem:


_ E foi observando você que obtive uma resposta que há tanto tempo buscava. Veja, pela primeira vez, depois de tanto tempo, abandonei o meu banco cativo para sentar em outro e conversar com alguém que antes só vislumbrava como peças de minhas lembranças. Hoje eu descobri que não preciso vir mais a este templo das lembranças e recordações. Nada está mais aqui, tudo está em mim. Das pessoas que amei elas continuam a existir em mim, mas estava certo, apenas o fim pode me dar a condição de ser uma lembrança e ver ao lado de outras lembranças tão importante. Você me deu a grande oportunidade de me reencontrar.


Confuso o jovem lança outra questão:


_A minha briga com a minha namorada te fez perceber isso?


A balançar sua cabeça no sentido negativo Ambrosin responde:


_ Não foi a sua separação. Mas foi a sua forma de resgatar a pessoa. O que você precisa fazer é levantar-se do banco e ir até a pessoa que ama e render-lhe todo o amor e arrependimento, se ela o amar verdadeiramente irá te oferecer o beneficio do perdão, senão, será melhor para você continuar sua caminhada. Eu percebi que o que preciso fazer é levantar deste banco e continuar a viver, interagir com as pessoas, LEMBRAR que ainda vivo, pois o que estou fazendo é matar a minha existência enquanto lembrança a ser deixada.


Captando a mensagem do senhor ali do lado o jovem o agradece e se despede... Em todo o seu trajeto, até a sua casa, ele reflete sobre as palavras daquele velho que até pouco tempo atrás não influenciava nada em sua vida.


No outro dia o jovem vai até a casa de sua namorada que reluta em atendê-lo. Ele insistindo fala dos bons momentos que viveram juntos e do seu arrependimento, do quanto de carinho tinha por ela. Não resistindo ela rompe sua clausura e corre para os braços do jovem. Passam então a viver momentos intensos, tão intensos quanto antes da briga. Muito feliz o jovem lembra-se, meses mais tarde, daquele senhor que com suas palavras o tocou e o fez a tomar tal atitude tão acertada. Volta à praça, mas não encontra o senhor naquele banco que sempre estava. Lembrou-se da última conversa onde ele dizia que não tinha mais nada para encontrar naquele banco.


Com algumas perguntas às pessoas por ali indicam a residência do senhor Ambrosin. Chegando até a casa do senhor toca uma campainha, imediatamente um pequeno cachorro passa a latir e uma senhora de meia idade saia a atendê-lo:


_ Pois não o que deseja?


Ele responde:


_ Gostaria de conversar com o senhor Ambrosin, assim que o chamam, gostaria de agradecê-lo por uma conversa que tivemos meses atrás.


A senhora o observa e diz:


_ Infelizmente o seu agradecimento já não é mais possível, papai faleceu duas semanas atrás, enfim, descansou dessa vida.


O jovem sem resposta despede-se e volta a caminhar, relembrando de toda aquela conversa, de todas aquelas idéias e palavras que entraram na noite naquela praça. Passa pelo banco onde estiveram sentados e se lembra de um trecho da conversa do senhor Ambrosin: “... apenas o fim pode me dar a condição de ser uma lembrança...”


E percebe que ele estava certo, a partir daquele momento ele passou a ser uma grande lembrança em sua vida. Que viveria naqueles momentos eternizados de sua memória. Suas palavras, seus gestos, todas as peças de uma vida que se repete geração após geração. Deu-se conta que aquele senhor havia deixado o palco da vida e estava na platéia. E que ele ainda teria que contracenar com todos os percalços daquele teatro da vida, seja na dor, na morte, na ausência e perda de um amor. E sentiu, mais do que nunca, a vontade de recorrer ao seu futuro sob medida de fazer valer seu passado. Seu presente passou a ter mais vida, mais intensidade. E o que seria o fim?Senão o aplauso da vida para sua grande atuação no tempo.


Quem ousa avançar no futuro, não precisa abandonar seu passado, basta viver seu presente com a maior intensidade que a vida possa oferecer. Não precisa desmentir sua dor, basta saber dá-lhe um significado. O céu reserva várias estrelas, guarde cada lembrança em uma delas, a vida é curta, tão logo faremos parte de alguma estrela perdida a brilhar numa noite para pessoas sentadas em algum banco da vida.

20 maio, 2009

Como se compra um sonho?


Certas coisas nos instigam a pensar se sabemos realmente quem somos. Se uma muralha que é capaz de defender todo um povo poderia sucumbir por não gozar de proteção emocional. Há pessoas presas no seu próprio mundo inundado de paradigmas e disfarces que, por si mesmas, fizeram brotar. Será que realmente sabemos quem somos?

A verdade é que não sabemos quem somos. Nos tornamos meros recipientes de informações; insensíveis, incrédulos, céticos, mas ainda assim, maravilhados com os mistérios. Incapazes de afirmar com veemência a não existência de algo além. Temos nossas dúvidas. Só se deixa de ser vazio como pessoa quando se passa por um choque de realidade. É isso que desencadeia o próprio processo de pensar, intuir, raciocinar, ainda que seja uma inteligência emocional.

Tudo que fugimos ou repudiamos, de alguma forma, se liga a nós. Se fugimos das crenças, passamos a crer. Se receamos a dor e as desgraças, procuramos vê-las aonde existem. Assistimos espetáculos da vida (e da morte), mesmo sabendo que alguns deles não nos farão bem se assistirmos. Somos teimosos; mais que isso, somos curiosos. É quase uma lei: o que mais tentamos esquecer é o que mais trazemos à tona e, de fato, nos recordamos. Somos prisioneiros de nossos medos, angústias, decepções, contratempos; justamente por não sabermos quem somos.

Quando será a hora de se despir das máscaras que nos fazem mecânicos (normais)? Quando aprenderemos a pensar em vez de simplesmente coletar informações e absorvê-las? Vale a pena crescer profissionalmente e decair como pessoa? Quanto vale desistir de viver intensamente por mera avareza, mesquinhez? Quando vamos admitir que temos limites emocionais e que, por mais que aparentemos sermos fortes, somos frágeis?

***

Achou esse texto uma viagem? Não entendeu esse método socrático de expor idéias e levar alguém a pensar? Descubram de onde surgiu a minha inspiração: sintam-se convidados a ler o livro "O Vendedor de Sonhos", de Augusto Cury. Esta leitura vai te fazer refletir. E como diz o Daniel, “o livro vai falar com você”. Veja aqui a Sinopse





***


Deixo um trecho do livro:


“_Uns têm uma loucura visível e outros, oculta. Que tipo de loucura você tem?
_Eu não. Eu sou normal! – reagiu impulsivamente o profissional de saúde mental. Enquanto isso, o vendedor de sonhos admitiu:
_Pois a minha é visível.

Em seguida, deu as costas e começou a caminhar com as mãos nos meus ombros. Três passos adiante, olhou para o alto e expressou:

_Deus, livra-me dos ‘normais’!”


Agora eu pergunto: Qual o seu tipo de loucura? Deixe-se levar por essa leitura envolvente. A propósito, esse livro foi o meu melhor presente. ;-)

12 março, 2009

Aprender a ver...


Da noite para o dia, tudo aquilo que você mais relutou ousa voltar à tona. Percebe que as tentativas de jogar tudo para debaixo do tapete foram em vão. Muitas coisas ficaram por lá, teoricamente escondidas, até que algo maior as libertasse. Elas nunca foram apagadas. O duro é constatar que alguns fatos certamente não serão esquecidos se deixados para trás... Ao contrário, todo esse decorrer do tempo os intensifica. Você se sente surpreendido, percebe que coisas do passado ainda te testam. A questão é: “Estarei pronto a desafiá-las?”

Cedo ou tarde, chega-se em um ponto em que se sentir fadigado em esconder momentos chaves que se passa em nossas jornadas é inevitável. Chega um tempo em que a única opção é bater de frente. É quando você se dá conta que não há mais para onde fugir: é hora de mudar.

Você finalmente tenta ser aquela pessoa que se manteve em um lugar obscuro por um tempo. Aquela pessoa que você escondia. Tenta deixar de lado as sombras que criou ou que criaram para você. Passa a analisar constantemente quem és realmente. Não se trata de um personagem. Você é você e ponto final.

A dificuldade em reviver certos momentos é imensa. Vez ou outra você se vê acuado, prestes a cair, mas algo que você tem em mente não permite que você se entregue. Você é instruído.É jovem e forte, quase inatingível. Apenas por um momento...

Ao relembrar do quão forte você foi em tempos passados, não entende como isso faz com que você se sinta tão fraco agora. “Por que?”- se pergunta. Não sabe ao certo até quando poderá suportar uma dor incessante, que te corrói por dentro; uma dor crônica da alma.

Reflexões te fazem reconhecer que podemos sim ser fortes, mas não implica dizer que o correto é ser auto-suficiente. Ao encarar momentos tenebrosos, você que sempre foi uma muralha que serviu de apoio para tantos, se vê tentado a pedir, também, um apoio. Tanto tempo fugindo, se reinventando para não ter que precisar de ninguém. Quando percebe que viveu demais em tão pouco tempo e se viu obrigado a amadurecer pagando os mais altos preços, você finalmente admite que já não dá mais.

É a hora de quebrar barreiras que você criou. Hora de permitir que alguém que mereça a tua confiança se una a ti e compartilhe aquilo que nunca deixou de ser um marco em sua vida, por mais que tentasse tornar essas facetas irrelevantes... Mas elas nunca foram.

Aos poucos você observa que a tua alma mutilada se recompõe gradativamente. Cicatrizes sempre existirão, mas não há mais que se falar em feridas abertas com um sangue que jorra sem parar.

Percebe ainda que há muitas coisas boas a serem vividas, e que aquele seu ceticismo dá lugar à esperança. O amadurecimento te habita. Você que tanto quis permanecer de olhos fechados, finalmente permite que lhe abram os olhos. Passa a enxergar além, a vista é bonita e é possível adentrá-la. Consegue descobrir o teu melhor através de outra pessoa que nada mais faz do quê mostrar que o teu melhor nunca deixou de existir.

Outro bloqueio foi quebrado. Dessa vez, a tua miopia moral sucumbe e te torna apto a enxergar longe, além do horizonte. Você consegue ver! Volta a enxergar após tanto tempo sendo alguém que preferiu ser cego ao presenciar situações que poucos viram e que muitos não suportariam ver. Protelou a sua cegueira, tentando deixar em segundo plano a necessidade de ver.

Finalmente uma luz irrompe em sua vida, e você se dá conta de que a visão é um dos mais belos sentidos.

Após essa longa caminhada de idas e vindas de dias vividos, do presente e das expectativas para um futuro próximo, o que passa a inundar a sua mente é que agora você tem noção de que os seus olhos devem ser efetivamente usados. Mais do que nunca, você sabe e é convicto nisso. Fará o máximo para usá-los como nunca o fez antes.

Siga este caminho, mantenha este foco! Após ter visto e vivido sob variadas óticas, saberá dar valor a tudo aquilo de bom que a vida te reserva. Logo irá descobrir o quanto a visão pode ser maravilhosa... Faça por onde acreditar!

Acredite!

08 março, 2009

Um sonho...


"Sentir que sentimos
Saber que sabemos
Ser o que somos
Sonhar o que sonhamos
Somos simplesmente sonhos
E sentimos que sem sonhos
Somos sem sentido
E o sentido de ser o que somos
É saber que os sonhos,
Semelhante aos sentimentos
São superiores aos sofrimentos."
Joamila Brito



Sonhos, por que sonhamos? Dizem que sonhos são construções imaginarias resultante do processo de enquadramento cerebral para questões cotidianas e uma pluralidade de eventos emocionais de cada pessoa. Nossos olhos enxergam coisas que antecedem o que realmente está presente. As imagens são constituídas no cérebro. Necessariamente não precisamos ver algo para idealizá-la, basta que a imaginemos.


Pois bem, fugiremos desse foco cientifico e entraremos num contexto do qual impera a crendice social. Pois o grande desafio das pessoas é tornar seus sonhos em realidade.


Uma mulher via quem o amava e quem ela amava. Esses sonhos se repetiam, porque exprimia uma vontade muito grande de reaver essa pessoa que já não mais estava viva. Sempre acordava angustiada pela última lágrima não contida. Sem nunca entender o porquê daquele sonho se repetia, mas não buscava interpretá-lo, a seu ver era apenas sua própria tentativa de se conter sonhando com quem amava.


Toda vez, após a luz se apagar e seus olhos fecharem, ela partia em busca da pessoa que amava em seus sonhos. Tudo que queria era fugir da realidade, fugir do previsto desconforto que estava submersa. Todos os sonhos ela se punha distante da realidade. Mas ao voltar pra realidade sempre se dava conta que lhe restava à dor da ausência e da verdade que aquela pessoa só residiria em seus sonhos.


Ela parecia querer sonhar seu amor para sempre. E não havia mais nada a se fazer, era mais um sonho que se findava. Olhava para si no espelho e se sentia fragilizada, na ânsia da ausência olhava e não via o amor que tanto precisava. Seu sorriso se sobressaia junto a dor, viver feliz era uma tarefa quase impossível. Ela via o tempo passar por sua vida desejando que a pessoa que amava estivesse a esperando, como sempre, em sua casa. Era essa sua grande tentativa de ver além do olhar.


Quando triste olhava para o céu e numa noite mais, o sonho aconteceu. Lá estava ela de frente para a pessoa que a amava. E ela perguntou por que ele havia partido sem ela...Dessa vez ele dispensou o fato de aconselhar e lhe disse:



_ Eu não parti, caminho agora entre jardins e flores cujo perfume exala os cheiros mais suaves. Toda noite venho aqui e te vejo neste jardim, seu perfume me atrai sempre como em vida. Enxugue suas lágrimas e venha comigo, quero te mostrar como tem sido minha realidade. Eu sei que se põe a sonhar comigo todas às noites, assim como me ponho a sonhar contigo todas às noites e com todas as pessoas que amo. Ambos sonhamos em vidas paralelas. Quando hei de acordar também sinto a sua falta...Olhe, aqui é o lugar onde minha vida acampou: sorriso, felicidade em abundância, onde a dor não pode atingir ninguém, onde a felicidade brota de forma primaveril. Minha vida agora é ser feliz, não entendo porque tanto choras se me amas, saiba que estou colhendo os louros pela minha trajetória dedicada em vida. Combati o bom combate e agora descanso no leito da vida reservada apenas aos que primaram pelo bem, tenho certeza que você compartilhará comigo ainda uma eternidade.



Sem palavras ela podia sentir a paz do lugar, a felicidade, suas lágrimas e sua dor não tinham espaço naquele lugar. Mesmo assim ainda era difícil aceitar viver a ausência. Na sua angustia perguntou em palavras trepidas carregada de amor:



_ Quando é que meus olhos hão de vê-lo mais uma vez em realidade e não em sonhos?



Com seu olhar austero, sereno a responde:



_ O sonho é você que vive. Eu vivo agora para eternidade, em breve iremos nos encontrar novamente e o tempo aqui não é um fator. Quando você acordar de vez, como eu fiz, e teus olhos me ver mais uma vez, verá que a realidade é aqui e que o verdadeiro amor sempre espera. Tenho ido de encontro aos sonhos das pessoas que me amam porque seus corações exalam o perfume que me faz reencontrá-los e com isso posso matar minhas saudades e mostrar que estou bem. Bom, permaneço em ti, nunca estará sozinha, nunca a desamparei, nunca faltei com o meu amor por ti. Sei que sonhas comigo porque me amas, assim como já disse que posso reencontrá-la através desse amor, ambos estamos juntos agora, você em sua realidade e eu na minha. Atente, eu carrego comigo um pedaço seu, assim como você também tem um meu e esse pedaço do amor que nos cabe sempre nos manterá unidos, seja em sonhos, seja em qualquer realidade. E o amor que temos um pelo outros nos unirá dentro de nossos corações...



Ela agora chorava com a felicidade e não mais coma angustia que sempre a acompanhava. Pôde se dar conta que a grande comparação é que a sua realidade era o sonho breve em que vivera ao lado de quem tanto amava e a realidade para a qual a pessoa que amava passou a viver era a grande verdade.


Olhou para trás e via o cenário dos seus sonhos: ruas, casas, estradas, sem nada e então acordou. Quando acordou não lembrava de todo amparo que recebeu de quem amava no sonho, pois nosso cérebro só é capaz de recordar os momentos que flagra no instante breve antes de acordarmos e que saímos de um estágio de sono. Ela só lembrou das ruas vazias, das casas e da estrada. Porém, sentia uma felicidade anormal nunca antes sentida em outros sonhos.



________________________


Qualquer semelhança entre esse sonho e a realidade de uma pessoa... Não é mera coincidência.


05 março, 2009

Para além da busca


“O destino une e separa pessoas. Mas nenhuma força é tão grande para fazer esquecer as pessoas que, por algum motivo, um dia nos fizeram felizes!"


A dita felicidade parece ser a exceção mais buscada, mais desejada durante à vida de todos. Incrível como nos fadamos em busca da felicidade, não obstante, ainda nos damos ao luxo de pensarmos que ela só pode residir em outra pessoa. Torna-se obrigatória, então, uma busca incansável atrás da felicidade em outras pessoas.

Além de buscarmos felicidades em outras pessoas, ainda conseguimos culpá-las caso não nos ofereça a tal felicidade. “Somos vítimas da infelicidade”. Nunca nos damos conta que somos reais algozes da nossa própria incapacidade de sermos felizes.

Em busca do complexo, para atingirmos o ápice da felicidade, deixamos fatos simples passarem despercebidos. Tal simplicidade poderia nos proporcionar uma felicidade tão intensa quanto à depositada em outras pessoas, em conquistas e demais motivações que pedem um esforço tão enorme que o preço, pago para tal felicidade, sai muito caro, talvez leve uma vida toda para alcançá-la. Enfim, a complexidade em acharmos e enxergamos a felicidade nos priva da própria.

Bom, eu não era diferente dessa “regra geral”. Como tal, quis ir atrás dela em “coisas complexas”. Na verdade, estive mais próximo da infelicidade por descobrir que a minha opção nem foi tão feliz. Mas, a felicidade está em todos os lugares, atentem para essa frase: “ a felicidade está em todos os lugares”. Sim, essa é a realidade, eu nem precisaria buscar em outras pessoas a felicidade, quando na verdade ela só pode residir em mim, muito menos buscar felicidade praticando o complexo(entendam complexo como algo difícil que nos transfere a sensação de realização). Eu nem precisava ir tão longe, mas foi só lá, longe, que descobri (não a felicidade) que a felicidade poderia estar na dor aliviada, na perda contida, no sorriso agradecido e até na descoberta que não é preciso de muito para atingi-la.

Existe uma máxima bíblica muito usada no meio militar que costumo entender e agregá-la para minha vida: “ quando a mente não pensa, o corpo padece”. Engraçado que foi justamente no meu erro que pude compreender a complexidade em uma simplicidade de criança, literalmente falando. Realmente, crianças não mudam, seja qual for o problema elas sorriem fácil e, através do sorriso, você descobre que a felicidade reside em qualquer lugar, BASTA QUE VOCÊ QUEIRA SER FELIZ.

Poderíamos parar de perder tempo em buscar a felicidade em tudo, menos em nós, e começarmos a ser felizes sem decreto, a revelia mesmo. Entre outras palavras, quem experimenta o gosto amargo de ver pessoas tão importantes partir da nossa vida se dá conta que existia tanta felicidade em coisas tão simples que se fazia, apenas com a presença da mesma. Em pouco tempo vi muitas pessoas que gostei partir repentinamente da minha vida, pessoas que como eu um dia pensaram que a felicidade estaria num sacrifício.

Aprendi a lição. Tento ao máximo sentir o prazer das coisas simples que acontecem em minha vida. E com isso aprendi a dar valor num abraço, num simples elogio e, mais do que nunca; APRENDI A ME DESPEDIR DAS PESSOAS QUE AMO COMO SE FOSSE À ÚLTIMA VEZ. Com toda intensidade que o momento requer, pois hoje ela me faz feliz e amanhã pode ser o motivo da minha tristeza.

03 março, 2009

Correndo atrás da luz


"Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia".

William Shakespeare




Os ventos que sopram, em nossas vidas, quase sempre não estão em nossa direção. É preciso descobrir a direção para onde eles sopram, para que possamos sentir o acalanto da brisa em nosso corpo. Não devemos buscar consolo apenas, nem rosas. Devemos buscar forças e o perfume das rosas, porque esses detalhes nos fazem elevar.


Conheço uma breve história de duas pessoas que se encontraram pelo acaso do destino e irei compartilhar aqui neste espaço. Obviamente, apenas conheço a história de um, e será pelo foco dessa vertente que conduzirei esse texto. Ainda que eu transite nos dois, irei me delimitar à visão de apenas um, talvez esse um multiplique-se e seja apenas o reflexo duplo dessa história.

-Darei o nome de ARES (deus da guerra, entendam...tem que ser guerreiro)para enquadrar o personagem principal desse texto e VITÓRIA para o personagem que será fruto da busca de ARES –

O desenrolar tem um cunho mitológico, afinal, minhas raízes dentro da ciência humana afloram num apelo para à história. Sem delongas, entremos nessa história:

As pessoas estão sempre em busca de algo, sempre existe algo a se buscar, mesmo que incessante. Não seria diferente com Ares que, já cansado de travar inúmeras batalhas em busca de se acertar, colocou mais dificuldades ainda para que encontrasse sua amada.

Ares queria ver o amor para entender que tudo nasceria a partir de uma troca. Na verdade, Ares queria deixar o seu campo de batalha e conhecer a paz. Só poderia fazer isso através do amor. Estava disposto a deixar de lado toda sua personalidade destrutiva. Cansado de buscar preencher o vazio com vazio, Ares decidiu sair em busca da essência nas pessoas.

Passou a conhecer diversas pessoas, analisá-las e sempre chegava à conclusão que havia falhado. A essência das pessoas estava sempre submergida, em “águas profundas”. Faltava oxigênio para ir tão fundo, faltava vontade de submergir de si próprio para que outros vissem seu elo tão importante com a vida. Entre uma essência e outra, Ares temia ser mal sucedido, estava num campo adverso ao que estava acostumado a lidar. Ares procurava e , às vezes, era procurado, não tinha chegado ao seu denominador comum.

Ares não sabia que a essência de cada pessoa, muitas vezes, está reservada a quem esta pessoa queira oferecer. As dificuldades cresciam a cada procura. Ares não desistia e conseguiu encontrar uma pessoa com a qual se encantou com sua essência. Ares animou-se, porém, viu que isso estava limitado a ele e que deveria travar uma batalha: a batalha da conquista. Estava definitivamente perdido, não sabia lidar com sentimentos que não fossem os práticos para sua atuação, mas ares sempre se deixava contemplar por essa luz que lhe foi apresentado.

O tempo veio a cobrar, mas a única parte que Ares tinha para demonstrar era que havia encontrado, mas que não estava certo que nesse percurso ele deveria largar todas suas armas e lutar com a única arma da qual ele não fazia uso: o coração. Perdido em si, Ares sentiu fragilizado, à beira da derrota. Acostumado a travar grandes batalhas e sempre experimentar a vitória, por essa vez, se sentiu fadado ao fracasso. Se preparou para bater em retirada, mas antes, precisava olhar novamente para Àquela luz que o encantara.

A procurou mais uma vez, manteve uma distância, pois não era possível se aproximar. Olhou em sua direção e viu àquela luz crescer em sua direção. Se sentiu imóvel, hesitava em se afastar, até que o desafio é lhe proposto. Ares sem nenhum preparo resolve encarar seu destino e percebe que Àquela luz o buscava muito antes dele entrar no campo de batalha. É tomado por uma felicidade tremenda, onde passa a perceber o que jamais havia sentido, treme, sorrir, chora ao ver que àquela luz se transforma na VITÓRIA. A tal luz ganha características humanas para a sua felicidade. Ares se enxerga realizado e pensa não precisar de mais armas, teria vencido a grande e única batalha que sempre quisera vencer.

Vitória era a essência em luz que Ares pretendeu e buscou. Quando alguém vem ao mundo, com certeza, é um dia de alegria para muitos. Mas cada um que nasce absorve um propósito no decorrer da firmação de sua existência, vitória teria a sua. A divina providência resolveu demonstrar para Ares que para manter a Vitória em sua luz, ele precisaria continuar como um deus da guerra travando lutas diárias. Agora não mais pelo êxito individual, mas pelo elo criado entre os dois que ares tomaria sua frente.

Foi então que a luz que emanava em Vitória lhe foi tirada. Vitória sentiu a dor e profunda tristeza, mergulhada em profunda escuridão se encontrava. Ares viu que a cada instante, para rever a luz em vitória, precisaria dá-lhe um motivo para sorrir. Passou a buscar incessantemente em todas as frentes motivos para devolver um sorriso em Vitória.

Ares não deixou de combater, nem Vitória perdeu sua essência que emanava em sua luz. Ares precisava oferecer um sorriso à Vitória para que ela lhe desse o seu brilho e, dessa forma, se mantivera guerreiro e a outra com seu brilho. Ambos oferecendo um ao outro o estimulo necessário para que continuem a se manter em sua essência com amor que se renova a cada dia, em que um vence uma batalha para o outro.


________________
A razão que nos motivam em buscar a essência das pessoas está justamente na reciprocidade. Você só é forte o suficiente para encarar os obstáculos se estiver bem amparado com a qual lhe ofereça propósitos para continuar, travando dia após dia a mesma batalha. Ares e Vitória são apenas um feixe dentro de um universo que, neste exato momento, translada a realidade que antes jamais se pensaria possível. Essa história já decorre cinco meses, passe o tempo que passar, dias ainda irão nascer e ficará marcada, escrita de uma forma que não se apagará com um simples passar do tempo.