14 junho, 2008

O Último Discurso- O Grande Ditador

Charles Chaplin, um gênio em muitos sentidos. Através da arte de fazer rir, toda a sua genialidade transcende.

Em “O grande Ditador”, primeiro filme com som atuado e dirigido por Charles Chaplin, há ênfase na questão da guerra, do nazismo, do fascismo já evidenciada há tempos. A história se desenvolve aludindo, satiricamente, à Hitler e Mussolini; e se encerra com um discurso sincero de liberdade.

O que mais chama a atenção é a atualidade do discurso. Ainda hoje, tudo o que foi levantado é reiterado por todos aqueles que buscam e/ ou acreditam em um mundo mais pacífico, equilibrado, justo e igualitário.

Segue o Discurso:

“Sinto muito, mas não pretendo ser um imperador. Não é esse o meu ofício. Não pretendo governar ou conquistar quem quer que seja. Gostaria de ajudar - se possível - judeus, o gentio ... negros ... brancos.


Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo - não para o seu infortúnio. Por que havemos de odiar ou desprezar uns aos outros? Neste mundo há espaço para todos. A terra, que é boa e rica, pode prover todas as nossas necessidades.


O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma do homem ... levantou no mundo as muralhas do ódio ... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, emperdenidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas duas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.


A aviação e o rádio aproximaram-se muito mais. A próxima natureza dessas coisas é um apelo eloqüente à bondade do homem ... um apelo à fraternidade universal ... à união de todos nós. Neste mesmo instante a minha voz chega a milhões de pessoas pelo mundo afora ... milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas ... vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Aos que me podem ouvir eu digo: "Não desespereis!" A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia ... da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem os homens, a liberdade nunca perecerá.


Soldados! Não vos entregueis a esses brutais ... que vos desprezam ... que vos escravizam ... que arregimentam as vossas vidas ... que ditam os vossos atos, as vossas idéias e os vossos sentimentos! Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como um gado humano e que vos utilizam como carne para canhão! Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar ... os que não se fazem amar e os inumanos.


Soldados! Não batalheis pela escravidão! lutai pela liberdade! No décimo sétimo capítulo de São Lucas é escrito que o Reino de Deus está dentro do homem - não de um só homem ou um grupo de homens, mas dos homens todos! Estás em vós! Vós, o povo, tendes o poder - o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vós, o povo, tendes o poder de tornar esta vida livre e bela ... de fazê-la uma aventura maravilhosa. Portanto - em nome da democracia - usemos desse poder, unamo-nos todos nós. Lutemos por um mundo novo ... um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.


É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência. Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós. Soldados, em nome da democracia, unamo-nos.


Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontres, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo - um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergues os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!”
Assista ao Discurso:

11 comentários:

  1. Adorei seu blog. Gostaria que conhecesse o meu também.

    conscienciaacademica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Lindo discurso. Não me lembrava mais, faz muitos anos que vi "O Grande Ditador". Mas sou verdadeiramente apaixonada por Chaplin.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente tenho que falar, Chaplin não era flor de se cheirar. Tecnicamente e artisticamente um grande homem, mas no convivio ela não era nem de longe o que interpretava.
    Curiosamente o filme que é uma sátira não foge muito (no discurso) ao que Hitler falava para o povo. Ele foi o primeiro grande populista (Populista bom é populista morto :)

    Que bom que voltou ao blog...

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Chantinon, o mais legal do blog são as divergências de opiniões. Isso diminui um pouco o aspecto tendencioso do texto. Gosto disso!
    Ah...sim, estou voltando aos poucos ao blog. Não vou mais ficar presa apenas à textos de doutrinadores, como tem sido estes últimos dias. O tempo está voltando a ser meu amigo. rs. Tentarei compensar a ausência.



    Obrigada pelos comentários de todos! :-)

    ResponderExcluir
  5. Liiii, qta inspiração!!!!!!!

    Amei assistir o vídeo, tinha séculos q não via o Chaplin, faz bem nos alimentar de inteligência de vez em qdo e seu blog é perfeito pra isso

    te amo, amiga
    bjoooooooooooooooooooooooo, SUMIDA rs

    ResponderExcluir
  6. realmente esse discurso de Chaplin é bem atual como a maioria dos filmes q ele faz....aconselho a assitirem Tempos Modernos (o melhor) e tb O Garoto, excelentes filmes....

    gostei do blog...pretendo vim mais vezes..

    ResponderExcluir
  7. ta rolando um prêmio no meu blog, participe e divulgue!!

    ResponderExcluir
  8. Uma pesquisa com google me deixou aqui. ;)
    E gostei, bastante eu diria!
    ...
    Chaplin, um grande palhaço, um grande homem... Sempre que vejo esse filme levo alguns tapas na cara. Chaplin entre outros conseguiu desenvolver signos com sua interpretação que nos joga tanta coisa pra absorver que quase não dá. Depois que veio a possibilidade de utilizar do artifício áudio, aí sim é como apanhar pela arte.
    ...
    No modo em que dirige então... Putz! A maneira que o discurso vai crescendo, as feições, o apelo religioso! Bah, tudo...
    Valeu por postar o vídeo.
    Visite meu blog também, apenas textos que escrevo... Às vezes eu apelo por lá. rsrs
    Até! ;)

    ResponderExcluir
  9. Falando em palhaço:

    http://www.fotolog.com/ordep_ex/11350790

    ResponderExcluir
  10. sim, Chaplim era socialista e os USA fizeram inúmeras interrogações contra ele, O FBI o tinha com certo receio quando este pousava em solo americano.

    Mas,sabe? lendo o discurso dele, PERCEBI QUE ELE SIMPLESMENTE CRITICAVA A FALA DE HITLER.

    Só compara:

    "Não vim ao mundo para sofrer ou ser derrotado, não sou uma ovelha à espera do meu pastor. Sou um leão. E me recuso a andar, falar, comer e a dormir com as ovelhas. O matadouro do fracasso, não é o meu destino(hitler)

    Pega o trecho inicial, depois o desenvolvimento. Ele critica essa "vontade de potência" hitleriana. É um achado em primeira mão, não cobrarei nada pela análise, hahahaha

    ResponderExcluir
  11. hehehe... Se não tivéssemos discutido tudo isso hoje pessoalmente, eu comentaria que a sua análise é pertinente, Daniel. hehehe
    De fato, é isso mesmo! Tanto que nesse filme de Chaplin, há uma constante alusão à Hitler.
    Beijo

    ResponderExcluir